Arquivo da tag: safra 2015

Pancadas de chuva favorecem lavouras e colheita de soja no país

Soja foi o principal produto exportado em 2015, com 21 mil toneladas comercializadas, segundo a Seplan.
Soja foi o principal produto exportado em 2015, com 21 mil toneladas comercializadas, segundo a Seplan.

Mato Grosso e Paraná são os dois principais estados produtores de soja.
Colheita irá deslanchar não só nesta segunda, mas ao longo da semana.

Chuvas apenas em formas de pancada deverão permitir o avanço da colheita de soja nos principais estados produtores do país esta semana, disseram meteorologistas nesta segunda-feira (1º).

“O avanço de uma frente fria pela região Sul, nessa manhã de segunda-feira, mantém o tempo instável e com possibilidade para ocorrência de pancadas de chuvas em Santa Catarina, Paraná, Mato Grosso do Sul e Mato Grosso”, disse o agrometeorologista Marco Antônio dos Santos, da Somar Meteorologia.

“De um modo geral, a colheita da soja irá deslanchar não só durante essa segunda-feira, mas ao longo de toda a semana.”

Mato Grosso e Paraná são os dois principais estados produtores de soja do país e muitos produtores têm se esforçado para acelerar o ritmo de colheita, que está ligeiramente atrasado em relação ao ano passado, segundo dados da consultoria AgRural.

Em geral, os trabalhos de campo não podem ocorrer com tempo úmido, porque a chuva prejudica a qualidade dos grãos e o funcionamento das máquinas, mas após algumas horas de sol já é possível retomar a colheita.

Em Sorriso (MT), maior município produtor de soja do país, por exemplo, “nos próximos dias, as instabilidades enfraquecem e a chuva volta a acontecer de forma irregular sobre os campos”, destacou a Climatempo.

O serviço Agricultura Weather Dashboard, da Thomson Reuters, aponta precipitações médias pequenas para Mato Grosso, nunca ultrapassando 10 milímetros por dia, até meados deste mês.

No Paraná, as chuvas deverão variar mais, na média do Estado, podendo chegar a quase 13 milímetros no próximo sábado, mas reduzem intensidade a partir de então.

Em Estados como São Paulo, Minas Gerais e Goiás, em Matopiba (região agrícola de Maranhão, Tocantins, Piauí e Bahia) e no Rio Grande do Sul, a semana será marcada pela ocorrência de pancadas de chuvas, às vezes mais intensas, afirmou Santos.

“Mas tais condições meteorológicas possibilitarão tanto a realização dos trabalhos agrícolas como também manterão as condições favoráveis ao desenvolvimento das lavouras, já que os solos se manterão com bons níveis de umidade”, afirmou o meteorologista.

Fonte: Agronegócio

Cidade de MS é a terceira do país em casos de ferrugem asiática da soja

Aumentou o número de focos de ferrugem asiática nas lavouras de soja de Mato Grosso do Sul nesta safra
Aumentou o número de focos de ferrugem asiática nas lavouras de soja de Mato Grosso do Sul nesta safra

Chapadão do Sul já registrou 7 focos da doença nesta safra.
Número de casos é 63,15% maior que o do ciclo passado.

A cidade sul-mato-grossense de Chapadão do Sul, a 333 quilômetros de Campo Grande, é a terceira do país em casos de ferrugem asiática da soja, com 7 focos confirmados até o dia 18 de janeiro, segundo dados do Consórcio Antiferrugem, a parceria público-privada que atua no combate a doença.

Como o mesmo número de casos do município de Mato Grosso do Sul estão as cidades de Castro (PR), Ibirubá (RS) e Piraí do Sul (PR).  Já com maior quantidade de focos estão Cruz Alta (RS), com 8 e Tibagi (PR), com 12.

Conforme o consórcio, casos de ferrugem foram descobertos e confirmados em nove municípios do estado além de Chapadão do Sul: Aral Moreira (4), Dourados (4), Maracaju(4), Ponta Porã (4), Laguna Carapã (2), Naviraí (2), Sidrolândia (2), Amambai (1) e Costa Rica (1).

No total, Mato Grosso do Sul contabiliza nesta safra 31 casos da doença. Apesar da safra ainda estar em andamento, com a colheita sendo iniciada em vários municípios, o número de registros já é 63,15% maior do que o contabilizado em todo o ciclo anterior, quando o estado registrou 19 casos de ferrugem.

Com esse número de focos, Mato Grosso do Sul, a exemplo de Chapadão do Sul, é o terceiro do país em casos. Fica atrás do Paraná, com 121 e do Rio Grande do Sul, com 116. No Brasil a quantidade de registros confirmados é de 321.

O que é a ferrugem asiática
De acordo com a Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa), a ferrugem é considerada uma das doenças mais severas que incidem na cultura e pode ocorrer em qualquer estádio fenológico da cultura.

Plantas infectadas apresentam desfolha precoce, comprometendo a formação e o enchimento de vagens, reduzindo o peso final dos grãos. Nas diversas regiões geográficas onde a ferrugem asiática foi relatada em níveis epidêmicos, os danos variam de 10% a 90% da produção.

Fonte:Globo.com

Valor da produção agropecuária de MS cresce R$ 1,466 bi em 2015

Agricultura representou 60,43% do VBP de Mato Grosso do Sul em 2015, segundo o Mapa
Agricultura representou 60,43% do VBP de Mato Grosso do Sul em 2015, segundo o Mapa

Do VBP do estado no ano passado, 60,43% veio da agricultura.
Valor da produção aumentou para três principais culturas do estado.

O Valor Bruto da Produção Agropecuária (VBP) de Mato Grosso do Sul cresceu R$ 1,466 bilhão em 2015 em relação a 2014, saltando de R$ 26,339 bilhões para R$ 27,805, o que representou um crescimento de 5,56%, conforme os dados do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa).

O VBP é um indicador da atividade calculado com base nos volumes de produção e preços médios da agricultura e pecuária do estado. Conforme o Mapa, do Valor Bruto de Produção do estado em 2015, 60,43% veio da agricultura, que atingiu R$ 16,802 bilhões e 39,56% da pecuária, que totalizou R$ 11,002 bilhões.

Os três principais produtos da agricultura em Mato Grosso do Sul, no que se refere ao VBP, registraram crescimento em 2015 frente a 2014. A  soja deve teve um incremento de 13,46% (de R$ 7,083 bilhões para R$ 8,037 bilhões), o milho de 15,49% (de R$ 4,057 bilhões para R$ 4,686 bilhões) e a cana-de-açúcar de 8,50% (de R$ 3,143 bilhões para R$ 3,411 bilhões).

Já na pecuária, na criação de bovinos, houve uma queda de 2,11% no VBP do ano passado em comparação com o anterior (de R$ 8,616 bilhões para R$ 8,434 bilhões). Também ocorreu um acréscimo de 7,53% na produção de suínos (de R$ 498,241 milhões para R$ 535,787 milhões) e aumento de 9,56% na de frangos (de R$ 1,507 bilhão para R$ 1,651 bilhão).

Fonte:Globo.com