Arquivo da tag: Paraná

Paraná terá R$ 11,9 bilhões para financiamento da safra

O Banco do Brasil lançou nesta quinta-feira (27) o Plano Safra 2019/20 para a agropecuária brasileira, que está disponibilizando R$ 103 bilhões em créditos para financiamento rural no País, sendo R$ 91,5 bilhões para o crédito rural em custeio, comercialização e investimento, e R$ 11,5 bilhões para o crédito agroindustrial. Desse total, R$ 11,9 bilhões estarão à disposição do Paraná.

O anúncio foi feito em Curitiba em solenidade que contou com a presença do vice-governador Darci Piana, do secretário estadual da Agricultura e do Abastecimento, Norberto Ortigara, do diretor de Política Agrícola do Ministério da Agricultura, Wilson Waz, do ex-governador Paulo Pimentel, e de lideranças do agronegócio paranaense.

Os recursos previstos pelo banco para serem aplicados no Paraná representam um crescimento de quase 20% em relação à safra anterior, quando foram aplicados no Estado R$ 10,6 bilhões. Dos recursos previstos para o Paraná, R$ 10,1 bilhões serão direcionados para custeio, comercialização e industrialização da safra, e R$ 1,8 bilhão em investimentos.

As taxas de juros foram mantidas em 3% a 4,6% ao ano para o Pronaf; 6% para os pequenos produtores e 8% ao ano para os demais produtores nas linhas de custeio, comercialização e agroindustrialização. Nas linhas para investimentos, os juros agrícolas variam de 3% a 10,5% ao ano.

O Banco do Brasil tem uma participação de 58,2% no mercado de crédito rural brasileiro, com atendimento a 1,5 milhão de produtores rurais. Na safra passada, desembolsou R$ 10,6 bilhões em crédito rural no Paraná, sendo R$ 8,8 bilhões em custeio, comercialização e industrialização e R$ 1,8 bilhão em investimentos.

Para a safra 2019/20, o Banco do Brasil está reforçando o atendimento ao seguro rural, direcionando um volume de R$ 1 bilhão para pagamento das subvenções ao prêmio do seguro rural. Segundo o diretor de Política Agrícola do Ministério da Agricultura, Wilson Waz, essa é a primeira vez que o banco faz um aporte nesse volume, sendo que nos últimos dois anos destinou entre R$ 370 milhões a R$ 400 milhões ao seguro rural em todo o País.

Darci Piana destacou que o Banco do Brasil é um grande parceiro do agronegócio e do Paraná, que colabora para o desenvolvimento do Estado. “A disponibilização desses recursos representa a continuidade dos nossos investimentos no agronegócio”, disse. Segundo ele, com o projeto do Governo do Paraná em industrializar a agricultura para dar valor agregado aos grãos, e aumentar o valor do produto de exportação, é fundamental o apoio de uma instituição como o Banco do Brasil.

O secretário Norberto Ortigara reforçou que o Paraná tem uma participação muito relevante no desempenho da agricultura brasileira, e mostrou a disposição do governo estadual em estar presente no processo, orientando os produtores na busca de um bom desempenho e renda.

“Esperamos que nossos agricultores façam um bom planejamento das suas atividades, com apoio dos agentes financeiros e da Emater na elaboração dos projetos e acompanhamento no dia a dia”, disse.

Para o secretário, o anúncio dos recursos do banco disponíveis ao Paraná é importante para que todos os produtores e cooperativas tenham pleno conhecimento das oportunidades em crédito para fazer um bom cultivo, uma boa criação, um bom processamento. E também para que possam planejar seus investimentos como a compra de máquinas agrícolas, e instalação de estruturas de armazenagem na propriedade.

Wilson Waz, do Ministério da Agricultura, destacou a importância dos recursos que serão disponibilizados ao Paraná, afirmando que a diversidade da produção agropecuária paranaense é imbatível. “O Paraná é o maior produtor de alimentos e líder no atendimento à demanda por alimentos de outros países”, afirmou.

RECURSOS – Os financiamentos começam a ser liberados nas agências do banco a partir de 1º de julho para financiamento das atividades do ano agrícola 2019/20.

Entre as novidades da próxima safra está o custeio digital, que poderá ser feito 100% a partir da tela de um celular na propriedade rural. O investimento em tecnologia vem se expandindo, sendo que do ano passado para cá foram feitas mais de cinco bilhões de operações na modalidade mobile em atendimento a 16 mil contratos.

Segundo Wilson Waz, as taxas de juros do Pronaf e Pronamp foram mantidas, assim como as taxas para investimentos em linhas como ABC – baixo carbono, Inovagro (financiamento para incorporação de inovações tecnológicas nas propriedades rurais) e construção de armazéns em propriedades rurais, que continuam sendo prioridades no campo.

Dos R$ 11,9 bilhões previstos para o Paraná, o Pronaf (para atendimento dos agricultores familiares) será contemplado com uma carteira de R$ 2,1 bilhões, que representa um crescimento de 31% sobre as aplicações na safra anterior. Mais R$ 2,7 bilhões serão destinados para atender o Pronamp (médios produtores), representando um crescimento de 17%. E R$ 7,1 bilhões para os demais produtores, um crescimento de 6%.

Para o País, o banco vai disponibilizar R$ 77,4 bilhões para médios e grandes produtores e R$ 14,10 bilhões para a Agricultura Familiar. Além disso, vai disponibilizar R$ 11,5 bilhões para o crédito agroindustrial.

Fonte: Agência de notícias do Paraná

Plantio de soja no Paraná atinge 73% da área.

Os trabalhos de campo estão 1% adiantados em relação ao mesmo período do ano passado.

 

De acordo com o Departamento de Economia Rural (Deral), da Secretaria da Secretaria da Agricultura e do Abastecimento do Paraná, 16% das lavouras estão em fase de germinação e 84% em estágio vegetativo, com avanço dentro do esperado.

Em relação à condição da safra, 96% estão boas, contra 99% da semana passada. Já a comercialização ainda não despontou e o nível atual, de 9%, está 3 pontos percentuais abaixo do ciclo 2016/2017.

O plantio de milho na primeira safra atingiu 98% e pela primeira vez está à frente do plantio da safra de verão 2016/2017.

A cultura está com 12% de germinação e 88% em desenvolvimento vegetativo. Pela terceira semana, as condições iniciais melhoraram significativamente com relação à semana anterior. Atualmente 88% das lavouras estão em boas condições e 11% média, contra 82% e 16% da safra anterior. Já o milho da segunda safra 2016/2017 está com a colheita finalizada. Em relação à comercialização, apenas 49% foi vendido, com um atraso de 33 pontos percentuais.

 

Créditos: Albari Rosa/Gazeta do Povo

Fonte: Gazeta do Povo

Baixa qualidade de sementes acende o sinal de alerta no campo

whatsapp-image-2016-10-24-at-22-47-35-1

Segundo pesquisadores da Embrapa Soja, o clima desfavorável no ciclo anterior reduziu a qualidade das variedades.

A qualidade das sementes de soja utilizadas no plantio do ciclo 2016/17 está mais baixa do que nos anos anteriores, informou a Empresa Brasileira Agropecuária (Embrapa) Soja à Expedição Safra, nesta segunda-feira, em Londrina, Norte do Paraná. A companhia considera que a baixa disponibilidade de sementes de algumas variedades, em decorrência da quebra da safra no ciclo passado causada pelo clima, pode influenciar no resultado final das lavouras da safra atual.

O chefe de transferência de tecnologia da Embrapa Soja, Alexandre Catellan, avalia que, de modo geral, para este ciclo, é esperado um clima favorável à cultura da soja com uma La Niña de fraca intensidade. Mas ele explica que os efeitos do El Niño na safra passada vão continuar exigindo cuidados dos produtores agora. “Já se sabe que vai se começar uma safra com a qualidade de sementes um pouco comprometida. Isso atrapalha o plantio, o arranque da cultura, às vezes tem que se fazer o replantio em alguns locais, coisas desse tipo”, antecipa.

Na zona rural de Londrina, o produtor José Mortari confirmou que não foi tão fácil como nos outros anos escolher que variedade de semente de soja usar nos seus 315 dedicados à cultura. Mortari conta que com a escassez de algumas variedades, teve que escolher as disponíveis e que apostou 50% na precoce e 50% na tardia. “Não posso plantar toda soja com um ciclo mais longo porque lá na frente tem o problema da ferrugem asiática, com todo mundo plantando antes pra colher cedo e poder fazer safrinha”, comenta.

Sinal amarelo para o plantio direto

O chefe da Embrapa, Alexandre Castellan, alerta que, de uns anos para cá, boas práticas, como a técnica do plantio direto e da rotação de culturas vêm sendo negligenciadas em muitas propriedades. “O plantio direto malfeito, sem palhada suficiente ou até mesmo com revolvimento de solo, que nesse caso deixa de ser plantio direto, é uma realidade hoje”, diz. “O produtor não está fazendo uma rotação de cultura, não está incorporando uma cultura de inverno que seja um adubo verde, cobertura de solo. Não estou dizendo que ninguém faz, mas o que temos observado é que tem aumentado a área de plantio direto mal feito em todo o Brasil”, alerta.

Fonte: Gazeta do Povo