Arquivo da tag: Londrina

VII Conferência Brasileira de Pós-Colheita

Tema Central: O valor da Pós-Colheita de grãos no Brasil.

A Associação Brasileira de Pós-colheita (ABRAPOS) apresenta a VII CONFERÊNCIA BRASILEIRA DE PÓS-COLHEITA (VIICBP2018) e o X Simpósio Paranaense de Pós-Colheita de Grãos, a realizar-se de 16 a 18 de outubro de 2018, no Espaço Villa Planalto, em Londrina, Paraná. Na edição de 2018, o evento tem como realizadora a Integrada Cooperativa Agroindustrial.

O tema central da VII CBP2018 é O VALOR DA PÓS-COLHEITA DE GRÃOS NO BRASIL.

Serão discutidos assuntos técnicos divididos em painéis e conferências.

Nos painéis serão abordados os temas: automação de unidades armazenadoras, manejo do expurgo de grãos no armazenamento, processos de operação na Unidade Armazenadora de grãos, qualidade dos grãos e suas implicações no armazenamento e industrialização e técnicas de secagem e aeração dos grãos com qualidade.

As conferências abordarão assuntos como: cooperativismo, atmosfera modificada e ozônio na conservação de grãos, armazenagem emergencial, resíduos químicos e micotoxinas e viabilização da unidade armazenadora de grãos.

 

Leia a Notícia na íntegra no site da ABRAPOS

Fonte: ABRAPOS

 

WhatsApp-Image-2017-12-20-at-21.06.23

Baixa qualidade de sementes acende o sinal de alerta no campo

whatsapp-image-2016-10-24-at-22-47-35-1

Segundo pesquisadores da Embrapa Soja, o clima desfavorável no ciclo anterior reduziu a qualidade das variedades.

A qualidade das sementes de soja utilizadas no plantio do ciclo 2016/17 está mais baixa do que nos anos anteriores, informou a Empresa Brasileira Agropecuária (Embrapa) Soja à Expedição Safra, nesta segunda-feira, em Londrina, Norte do Paraná. A companhia considera que a baixa disponibilidade de sementes de algumas variedades, em decorrência da quebra da safra no ciclo passado causada pelo clima, pode influenciar no resultado final das lavouras da safra atual.

O chefe de transferência de tecnologia da Embrapa Soja, Alexandre Catellan, avalia que, de modo geral, para este ciclo, é esperado um clima favorável à cultura da soja com uma La Niña de fraca intensidade. Mas ele explica que os efeitos do El Niño na safra passada vão continuar exigindo cuidados dos produtores agora. “Já se sabe que vai se começar uma safra com a qualidade de sementes um pouco comprometida. Isso atrapalha o plantio, o arranque da cultura, às vezes tem que se fazer o replantio em alguns locais, coisas desse tipo”, antecipa.

Na zona rural de Londrina, o produtor José Mortari confirmou que não foi tão fácil como nos outros anos escolher que variedade de semente de soja usar nos seus 315 dedicados à cultura. Mortari conta que com a escassez de algumas variedades, teve que escolher as disponíveis e que apostou 50% na precoce e 50% na tardia. “Não posso plantar toda soja com um ciclo mais longo porque lá na frente tem o problema da ferrugem asiática, com todo mundo plantando antes pra colher cedo e poder fazer safrinha”, comenta.

Sinal amarelo para o plantio direto

O chefe da Embrapa, Alexandre Castellan, alerta que, de uns anos para cá, boas práticas, como a técnica do plantio direto e da rotação de culturas vêm sendo negligenciadas em muitas propriedades. “O plantio direto malfeito, sem palhada suficiente ou até mesmo com revolvimento de solo, que nesse caso deixa de ser plantio direto, é uma realidade hoje”, diz. “O produtor não está fazendo uma rotação de cultura, não está incorporando uma cultura de inverno que seja um adubo verde, cobertura de solo. Não estou dizendo que ninguém faz, mas o que temos observado é que tem aumentado a área de plantio direto mal feito em todo o Brasil”, alerta.

Fonte: Gazeta do Povo